11 de fevereiro de 2008

RECORDANDO! La vem o Negão

Todo bairro tem sua peculiaridade. Todo bairro tem suas lembranças, seus moradores e suas figuras lendárias.
Meu bairro do coração é a Barra Funda. Bairro do proletariado imigrante, no meu caso, de italianos.
Um bairro que tem história, no qual crianças brincavam na rua, os velhinhos jogavam dominó e as velhinhas futricavam nos portões o dia inteiro.

Eu sinto falta disso. No bairro onde agora eu moro, só se formam moleques de prédio. Tipo nojentinhos, que nunca ralaram o joelho na rua, andando de bicicleta. Isso atrapalha a formação ... Segurança demais atrapalha, deixa mimado. Assunto para outro dia.


Hoje em dia a Barra Funda vive outro tipo de migração, daqueles que vem do norte e nordeste do país, para tentar o que nem em São Paulo , nem em qualquer outro lugar do Brasil tem, esperança de algo melhor.
Com isso o bairro tem muita diversidade, difícil de ver por ai.
Mas vamos ao que interessa. Todo bairro tem a figura lendária. O da Barra Funda era o Negão, personagem não identificado, sem nome, sem documento, apenas Negão.
As mães o usavam como ameaça! Se não comer, vai para o saco do negão! Na verdade um cobertor velho que o mesmo usava.
As velhinhas davam de comer a ele. Dona Olga ameaçou: se dormir no meu quintal, não vou mais te dar almoço!
E assim foi feito! Negão ultrapassou o limite dos portões baixos de D Olga.
Ela acordou um dia e tomou um susto!
Mas sabia que Negão não faria mal a ela. E alguns meses depois, lá estava ele outra vez!

As crianças eram curiosas. E não poderia deixar de zuar. Crianças sabem ser malvadas. E sempre que vinha passando o Negão na rua, não deixavam de cantar a tal musiquinha:
La vem o Negão / cheio de paixão / vai te catar te catar te cata ... E depois, corriam, claro, rindo enquanto o outro esbravejava.
Ele não tinha privacidade.
Negão ondem tava mijando no muro da minha casa!
Vi tomando banho ali na rua dos travecos!!!
Muitas lendas foram criadas. Diziam que ele era dono de empresa. Que perdeu tudo por causa das drogas ... Apesar de que nem fumar , ele fumava...
Tinha outra que dizia que ele enlouqueceu e perdeu tudo, quando a mulher o abandonou. Eu gostava dessa! Negão tinha coração! Amava! Quem sabe tinha filhos! E tudo por agua a baixo por causa de uma vagabunda! Quer mais romantico!?

A verdade é que até nos preocupavamos com ele! Para onde iria Negão nas enchentes?? Frequentes 2 vezes ao ano, no minimo...
Ele não aparece a alguns dias!! Será que morreu?
Mas ele aparecia, cada dia mais forte, porque depois D Olga descobriu que ele almoçava 2 vezes por dia!

Saudades do Negão cara. Saudades dos tempos de Barra Funda. Saudades da minha infância, das quais tenho lembranças tão remotas, tão amargas as vezes, que esqueço de como era. Às vezes nos pedem para crescermos, quando na verdade, queriamos apenas ser crianças...
O tempo não volta ... Nem pra mim, nem para você Negão!
Espero que sua mulher tenha se arrependido, seus filhos estejam na escola e que você tenha uma casa para se abrigar da enchente.

A visão de criança, essa não muda nunca ...



Publicado "originalmente" http://maryjanesworld.zip.net/arch2007-10-28_2007-11-03.html

4 comentários:

Trotta disse...

Ah, não vale, esse eu já tinha lido! :P

Sammia disse...

Uma postagem muito loca.
Alias: Você que nunca passa pelo meu né Mariana? Rá!

Lu disse...

Bem legal .. no Tatuapé me deparei com figuras assim ... o velho Moisés que ficava na rua cantando.

Anônimo disse...

hahaha legal! Adorei a do Fidel! Muito boa!!!