28 de maio de 2008

Isso de sentimentos - Reflexões de conversas de MSN

Nem tudo na vida são crônicas engraçadas. Nem tudo da pra fazer piada e seguir com a vida. Nem tudo da pra desabafar também num blog público.
Mas existe uma coisa comum a todos, e que é sentido de maneiras diferentes.
É isso de sentimento, sabe?
Não sou tão poetisa para conseguir explicar do qual sentimento se trata.
Talvez daquela agonia, daquelas pontadas no fundo do peito. Talvez da felicidade de receber um elogio. Talvez do amor, e a linha tênue do ódio.
O que fode isso de sentimento é que ele sempre está ligado ao outro.
E nunca se sabe o que se passa na cabeça do outro.
As pessoas nunca se conhecem o suficiente, quem dirá então você conhecer não é?
Como você iria saber que um simples palavrão ia desencadear uma briga homérica?
E que aquele amigo na verdade quer mesmo te dar uns pegas.
E que aquela que diz ser sua amiga, quer mesmo é de dar facada pelas suas costas.
Às vezes eu esqueço que existe isso no mundo.
Esse tipo de gente.
Que engana, que gosta de humilhar.
Penso que às vezes é falta de sexo. Na maioria das vezes é mesmo falta de caráter.
Brincar com as pessoas como se fossem fantoches ou algo do gênero.
Talvez eu já tenha feito isso também. Se fiz, não foi minha intenção.
Acho que às vezes inconscientemente fazemos isso.
A grande merda de ser humano.
Achar que está com o homem da sua vida, e na verdade está dormindo com o inimigo.
E ai morre de amor.
Eu não sei se alguém já morreu, como no livro Amor de Perdição, eu sei que a gente morre um pedaço, e quase tem um ataque cardíaco, quando não é mais possível amar outra a outra pessoa.
E aquilo fica, não passa, atormenta, volta, traumatiza e enfim. Te faz mudar um pouco talvez.
Não sei se acredito em mudanças.
Parece que isso de sentimento nunca muda.
As pessoas passam, mudam seus telefones, arrumam outros amores, pintam o cabelo, fazem tattoo no braço, e o sentimento tá lá ainda.
Inferno.
A vontade é de nunca mais se apaixonar.
E dá para controlar?
Talvez se trancar num cofre. Isolar, ir pro Himalaia, não depender mais de infames.
E ai passa uma semana, se apaixona de novo.
Bicho complicado.
Enfim, viagem.

6 comentários:

Trotta disse...

Bom, realmente, o ser humano é falso, sem caráter, gosta de brincar com os outros como fantoches. Mas eu não. Eu faço questão de não ser esse tipo de gente.

Ninguém é obrigado a saber como sou ou o que eu penso, então eu sempre sou bem direto e digo. Sempre sou sincero (até demais), de modo que a frase "nunca se sabe" nunca se aplica a mim. Nem com falta de sexo.

Pelo menos eu me esforço pra isso. Acho que mais gente deveria fazer o mesmo.

Anônimo disse...

Vc sabe q eu acabei de passar por uma dessas situações que poderiam ser só definidas como "ilusão amorosa", mas no fundo mesmo eu não sei, acho que foi bem mais q isso - ataque cardíaco, isso mesmo! No meu caso, eu que sempre me achei sã, como esse tão Trotta ai, precisei de remedinhos para dormir, bati o carro, perdi os documentos e ando numa fase louca. Não é culpa dele, tá dentro de mim o que eu sinto por ele.

O problema é exatamente esse que vc descreveu, a gente tão pouco se conhece e, na maioria, a culpa tá dentro do que a gente mesmo cativou. Se apaixonar? Acho, que um milhão de vezes ainda, talvez pela mesma pessoa, talvez por outras Mieko

Anônimo disse...

O que é foda. Sentimentos são fraquizas do ser, como eu dizia com 15 anos de idade. Achava-me uma pedra, não chorava. Comecei a me permitir ser "mole" um bocado, não me arrependo, o problema que de altos e baixos, isso aqui anda! E, diferente do que falam os ditados, as escolhas nem sempre são nossas, talvez sejam inconscientes! Só estão lá dentro de nós, olha que sou bem cética, mas de repente acredito nisso e, mesmo em um turbilhão de sentidos, acho que ainda tenho a razão me regindo. Pena mesmo! Mas nós somos humanos, errar para acertar. A conseqüência a gente precisa assumir ou, aceitar - o que é + difícil. Mieko

Sammia disse...

Foda hein. Cuidado que o Trotta pode pensar que foi pra ele que se escreveu...

E isso aí tá quase tudo certo. A variação é individual. Agente acaba achando meios de sobreviência para os fins de amores, amizades e etc.
Amadurece e tudo mais...se aprende a congelar mais o coração.

Bejo boneca

Eduardo Morenno disse...

Nossa quantos anonimos [o.O]

Bem primeira vez que apereço por aqui, mas como é blog non vo me acanhar em comentar!

"As pessoas nunca se conhecem o suficiente, quem dirá então você conhecer não é?
Como você iria saber que um simples palavrão ia desencadear uma briga homérica?"

A pior coisa em se tratar de sentimentos, como você mesma disse, é isso estar ligado a outra pessoa. Muita gente sente algo e normalmente acha que é a única na relação a sentir aquilo daquela forma (seja amizade ou amor) dai um e outro começam a divergir por pequenas coisas. Coisas simples e pequenas ganham proporções fenomenais (como a tampa da privada, ou uma mensagem de celular acompanhada de muitas reticencias).

Em suma, todos somos cheio de qualidade e defeitos, depende de quem nos vê! Mas, o maior defeito do ser humano, é ser humano. Não sabemos conviver em paz, sempre queremos algo mais, amizades viram interesses, romances viram aventuras... Por ai vai...

Acho que já falei bobagem demais para um comentario... rss

bem, belos textos, o blog já foi favoritado.
o/

Mariana disse...

Hello people!

Trotta: infeliz, ou felizmente, não é possível ser sincero 100% do tempo. Cientificamente comprovado.
Mentimos para nos proteger, para conseguir o que queremos, ou pelo simples fato de mentir.
Da infância ao leito de morte.
Claro que existem pessoas que exageram. Mas ai já é algum tipo de disturbio ou doença. Legal tentar ser sincero, mas não ao ponto de magoar aos outros, ai vira estupidez.

Mieko anonima: Não sei porque vc não consegue postar com seu nome!!
É amiga, eu lembro de você pedra, de você que não ligava pra nada e que queria que os outros se fodam. Mas no fundo sabemos que quem é muito pedra, uma hora surta. Porque o sentimento tá lá, só não deixmos sair... e isso faz mal, adoece e tudo.
No fundo, saber lidar com esse turbilhão é a melhor maneira de crescermos.

Sammia: Minhas palavras raramente são pessoais, apesar de poucos acharem. Tento analisar a vida, para torna-la um pouco menos estranha. Quem sabe não sirva para alguém né?

Conglear o coração, é por pouco tempo, logo logo derrete de novo!

Eduardo: Obrigada pela visita! Volte sempre!
Exato! Não sabemos conviver, estamos sempre em competitividade frenética, talvez por nossos instintos, talvez pelo nosso egoísmo! Nâo sabemos compreender as dificuldades alheias, nem ouvir o outro, e nem o outro aceitar o que temos a falar.
Dá merda, na maioria dos casos ...
Ah! É difícil!


That´s all folks!!!!!!!!!