17 de fevereiro de 2009

Os 5 últimos filmes que vi

Funciona assim, 5 filmes, 5 dias, R$ 2,50 cada. Não são lançamentos, mas essa é uma oportunidade de ver e rever aqueles filmes sempre comentados nas rodinhas de amigos, e aquelas sugestões antigas.
Lembrando que sou um "as no " cinema, se é que me entendem (piadinha sem jeito essa), uma pessoa leiga, com alguma sensibilidade. Espero que as dicas sejam úteis.

Alpha Dog

Sinopse:Filme escrito e dirigido por Nick Cassavetes, lançado em Janeiro de 2006.
O filme é baseado em fatos reais, sobre a vida do traficante Jesse James Hollywood ( Johnny "Truelove" no filme) , que passou a ser o homem mais jovem da lista de procurados do FBI após o sequestro do irmão de um devedor. Devido a pouca idade dos sequestradores e do sequestrado também, tudo parece uma grande farra, uma grande festa,mas as coisas vão mal, senão não tem filme não é?

Comentário: Falaram pra mim que era um filmaço. Achei um bom filme, para ver no sábado a tarde, mas nada de excepcional. Por ser baseado numa história real, é difícil acreditar como o sequestro não foi solucionado antes, com tantas testemunhas. Mostra pessoas negligentes, preocupadas com suas vidas e suas biritas, seu dinheiro e só. O velho esquema rico-fútil.
E não é que gostei do Justin Timberlake atuando?Ele tomou a cena, pois o Johnny Truelove ficou um pouco de canto em alguns momentos.
A última cena da Sharon Stone vale a pena ver.








O Show de Truman
Sinopse: Dirigido por Peter Weir, lançado em 1998.
Conta a história de Truman Burbank (Jim Carrey) que nasceu, cresceu e vive com uma câmera de televisão relatando 24 horas o que acontece com ele. Só que ele não sabe. Tudo ao redor dele é manipulado, todas as pessoas de seu convívio são atores, e a cidade é cenográfica. Até que ele começa a desconfiar e a investigar as estranhezas do cotidiano para descobrir a verdade.



Comentário: Eu gosto de ver o Jim Carrey fazendo um bom filme, sem aquela cara de idiota e aquelas caretas irritantes que ele costuma fazer nos de comédia. Achei o filme meio perturbador, tinha vontade de gritar na orelha do Truman "ACORDA PORRA"!
Mas quem nunca se viu num filme como esse, no qual as pessoas fingem ser o que não são, fingem amizade, amor, vida perfeita, enfim, temos um pouco de Truman dentro de nós, querendo viver a fantasia da perfeição e convivendo com atores de primeiro escalão. Basta acordar para isso, e se libertar, porque, como no filme, as evidências caem do céu, basta acreditarmos ou não.







Capote
Sinopse:Dirigido por Bennett Miller, de 2005.
Em novembro de 1959 Truman Capote (Philip Seymour Hoffman), o autor de Bonequinha de Luxo, interessa-se pelo assassinato de 4 pessoas da mesma família ocorrido no Kansas. Vai fazer a reportagem sobre esse assassinato.
"Com sua voz infantil, maneirismos femininos e roupas não convencionais, inicialmente levantando hostilidade numa parte do país que ainda pensa como parte do Velho Oeste, Capote rapidamente ganha a confiança dos locais, mais notadamente de Alvin Dewey (Chris Cooper), o agente de investigação do Kansas que está liderando a caça aos assassinos. Pegos em Las Vegas, os assassinos - Perry Smith (Clifton Collins Jr.) e Dick Hickock (Mark Pellegrino) - são devolvidos ao Kansas, onde são julgados e senteciados à morte. Capote os visita na prisão. À medida que os conhece se dá conta de que o que ele teria imaginado ser um artigo de revista se transformou num livro, um livro que poderia ser um dos maiores da literatura moderna."
Fonte: http://www.cinepop.com.br/filmes/capote.htm

Comentários: Eu achei esse filme do caralho. Começando pela interpretação do Philip Seymour, grande presença, com os tiques e a voz para completar a veracidade da personagem. Uma transformação enorme.
Discute-se o método utilizado por Capote para conseguir seu livro, pois ele se passou por "amigo" dos assassinos e prometeu "humanizá-los", mas já no título " A Sangue Frio" desmente isso.
Oras bolas, os caras matam 4 pessoas "a sangue frio" e é pra ter compaixão?
Dizem que depois que escreveu o livro, mergulhou no uisque , ficou doidão, isso porque apesar de ser jornalista e estar lá "só pra fazer seu trabalho" se envolveu emocionalmente (as bem más línguas falam que até sexualmente) com Perry Smith, um dos assassinos.
Esse livro é um marco no jornalismo literário e estou até pensando em comprá-lo. Mas para quem não é fã de leitura, assista ao filme, vale a pena.



Feliz Natal
Sinopse: Dirigido por Christian Carion, 2005
"Natal de 1914, em plena 1ª Guerra Mundial. A neve e presentes da família e do exército ocupam as trincheiras francesas, escocesas e alemãs, envolvidas no conflito. Durante a noite os soldados saem de suas trincheiras e deixam seus rifles de lado, para apertar as mãos do inimigo e confraternizar o Natal. "
Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/feliz-natal/feliz-natal.asp



Comentário:
Esse é baseado em fatos reais também. Surreal. Imagine só, no meio da guerra, os homens saem das trincheiras para dividir seus vinhos, cigarros e chocolates,ouvir uma palhinha de um recital, mostrar as fotos de suas esposas e no dia de Natal até jogar uma partidinha de futebol!
Sem sentimentalismo barato, com bela fotografia, uma história inusitada como essa deve ser mostrada ao mundo. E foi mostrada de maneira comovente (eu fiquei comovida, achei "doce").
E como depois de tudo isso voltar para as trincheiras e atirar sem dó no "inimigo"? ( que a essa hora não são mais inimigos, e os soldados percebem que nem todos queriam estar lá, nem todos querem aquela guerra, e que aquilo não tem mais sentido)
Toda vez que assisto filmes de guerra penso a mesma coisa: guerra é uma grande estupidez! E sinto um vazio ao pensar que estamos vivendo em guerras, talvez as mais estúpidas da história e que estamos de mãos atadas. Blablabla.



O Homen Elefante
Dirigido por David Lynch, 1980.
Baseado em manuscritos do dr. Frederick Treves (interpretado por Anthony Hopkins) que descobriu em um circo de aberrações o inglês John Merrick, portador de uma doença que provocou terríveis deformidades em 90% do seu corpo. Ele é internado no hospital de Londres, onde mostra que, apesar de parecer um monstro, possui certa intelectualidade e sensibilidade extrema.


Comentários: Impossível não sentir dó, ou piedade, ou compaixão por John Merrick. Especialmente sabendo que ele não era retardado, e que estava ciente da situação que vivia.
E essa situação era a exploração de sua "desgraça", tanto no circo de horrores, quanto no hospital, quando era mostrado como aberração para a comunidade científica, ou quando virou personagem "cult" da sociedade inglesa, era convidado para chás, mas as pessoas não podiam deixar de exibir repulsa por ele, visitando-o apenas para aparecer em jornais.
Portanto, esse filme nos traz sentimentos diversos, dó, desprezo, repulsa, e até a culpa por sentirmos tudo isso,afinal deveríamos tratá-lo com igualdade, não julgá-lo por sua aparência física, é o que indica a cartilha dos bons costumes.
É um clássico, é muito legal de ver também o Anthony Hopkins novinho da silva, obviamente em ótima atuação.


Fiz boas escolhas na locadora, a maioria delas, sem querer,baseadas em fatos reais, histórias marcantes, inusitadas e inovadoras, tal qual a vida como ela é.

Um comentário:

Bela Adormecida Desencantada disse...

De todos da lsita, o único que assisti foi o "O Show de Truman", adoro esse filme.
A sua observação foi ótima "quem nunca se viu num filme como esse, no qual as pessoas fingem ser o que não são?".
Não podemos nos acomodar, parar de lutar, questionar, tentar mudanças.
Aceitar que a vida "é assim e não vai mudar" é estupidamente cômodo!

Bjks

Bela